AS CRÍTICAS DE DWORKIN LEVARAM A UMA SUPERAÇÃO DO LEGADO DE HART?

Autores

  • Charles Nunes BAHIA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte/MG

DOI:

https://doi.org/10.21207/1983.4225.715

Palavras-chave:

Positivismo Jurídico, Não Positivismo Jurídico, Discricionariedade Judicial

Resumo

O embate entre positivismo jurídico e não positivismo jurídico é posto em evidência de modo a apontar as contribuições analítico-filosóficas que esse conflito histórico tem proporcionado à ciência jurídica contemporânea. Neste sentido, a compreensão dos conceitos é tarefa primeira a ser cumprida para que o objeto da pesquisa não se torne obscuro.

Biografia do Autor

  • Charles Nunes BAHIA, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte/MG
    Mestre em Teoria do Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2016). Bacharel em direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2012). Graduando em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Realizou pesquisa (graduação-sanduíche) na Faculdade de Direito da Universidade do Porto (Portugal-2011/2012). É parecerista da Revista Humanidades em Diálogo (USP). Atualmente é advogado. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Teoria e Filosofia do Direito, pesquisando os seguintes temas e autores: Teoria da argumentação jurídica, dicotomia direito X moral, positivismo jurídico, não positivismo jurídico, discricionariedade judicial, direitos humanos e fundamentais, Alexy, Kant, Kelsen, Hart e Dworkin.

Referências

ALEXY, Robert. Conceito e Validade do Direito. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011a.

ALEXY, Robert. Teoria da argumentação jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da fundamentação jurídica. 3 ed. Trad. Zilda Hutchinson Schild Silva. Rio de Janeiro: Forense, 2011b.

BAHIA, Charles Nunes. A discricionariedade judicial à luz das teorias de Hart e Dworkin. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVI, n. 118, nov 2013.

BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico - lições de filosofia do direito. Tradução de Márcio Pugliese. São Paulo: Ícone, 1995.

BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. 6 ed. Brasília: UnB, 1995, p. 135.

COTTERRELL, Roger. The politics of jurisprudence. A critical introduction to legal philosophy. Londres e Edimburgo: Butterworth, 1989

DWORKIN, Ronald. Levando os Direitos a Sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DWORKIN, Ronald. O império do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

DWORKIN, Ronald. Uma questão de princípio. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Tradução de Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HART, H. L. A. O Conceito de Direito. Pós-escrito editado por Penélope A. Bulloch e Joseph Raz. Tradução de A. Ribeiro Mendes. 3ª ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.

MORRISON, Wayne. Filosofia do direito: dos gregos ao pós-modernismo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

STRUCHINER, Noel. Uma análise da textura aberta da linguagem e sua aplicação ao direito. 2001. 102 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Programa de Pós-graduação em filosofia, Rio de Janeiro, 2001.

TRIVISONNO, Alexandre Travessoni Gomes. Kant e o pós-positivismo no direito. Revista da Faculdade de Direito. Universidade Federal de Minas Gerais, v. 48, p. 39-66, 2006.

WAISMANN, Friedrich. Verifiability. In: FLEW, Antony (coord.). Logic and language. Oxford: Balckwell, 1978, p. 177-144.

YANAL, Robert J. Hart, Dworkin, Judges, and New Law. In: The Monist, v. 68, n. 3. Illinois: The Hegeler Institute, 1985, p. 388-402.

Downloads

Publicado

2019-09-18

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

AS CRÍTICAS DE DWORKIN LEVARAM A UMA SUPERAÇÃO DO LEGADO DE HART?. (2019). Revista Eletrônica Da Faculdade De Direito De Franca, 14(2), 111-129. https://doi.org/10.21207/1983.4225.715

Artigos Semelhantes

1-10 de 212

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.