ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DA MULHER, O MOVIMENTO FEMINISTA E AS COTAS DE GÊNERO COMO FERRAMENTA DE PERPETUAÇÃO DA DESIGUALDADE DE GÊNERO NA POLÍTICA

Cristina Veloso de CASTRO, Ana Beatriz do Amaral SOUZA

Resumo


Este trabalho analisa as cotas de candidatura e a desigualdade de gênero que acaba sendo sustentada por essas cotas, ao invés de garantir a representatividade feminina no Poder Legislativo. O princípio da igualdade é base do ordenamento e das relações jurídicas no Brasil, no entanto, na prática, enfrenta diversas barreiras em inúmeras áreas, devido à desigualdade de gênero, fenômeno social no qual ocorre a discriminação feminina em razão de seu gênero. Isso se trata de uma herança do patriarcalismo e, como forma de oposição a essa desigualdade e em busca de igualdade de direitos e oportunidades, surgiu o Movimento Feminista, o qual foi responsável por inúmeras conquistas femininas, como a garantia de seus direitos políticos, devido ao Movimento Sufragista. Ocorre que, apesar disso, ainda nos deparamos com amostras dessa desigualdade no mercado de trabalho, nas instituições de ensino, e, principalmente, na política, visto ainda é ínfima a quantidade de mulheres no Legislativo. Como consequência, buscando assegurar a igualdade de gênero e uma maior participação política feminina, foram instituídas as cotas de gênero, pela Lei nº 9.504/97, que passou a prever, em seu art. 10, §3º, que cada partido deve preencher o mínimo de 30% e o máximo de 70% de candidaturas de cada gênero nas eleições proporcionais. No entanto, o diploma legal assegura uma pseudo-representatividade feminina, haja vista que, segundo diversos estudos, é costumeiro o preenchimento da cota por candidatas fantasmas: filhas, mães, esposas, irmãs de candidatos. Além disso, os partidos políticos geralmente destinam seus fundos eleitorais, quase em sua totalidade, a candidatos homens. Essa regulamentação é falha, e acaba por ter consequências preocupantes, já que inúmeras políticas públicas que tutelam as mulheres e suas necessidades não são implementadas. Dessa maneira, a falta de representatividade feminina na política acaba por deixar os interesses da mulher à margem da sociedade, tornando imprescindível a criação de medidas para garantir, de fato, a igualdade política. Nesse estudo, foi adotado o método de pesquisa dedutivo e, para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, através do recolhimento de materiais já publicados em livros, artigos, revistas e análise jurisprudencial.


Palavras-chave


Feminismo; Direitos políticos; Desigualdade; Representatividade política.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Zina. Luta das mulheres pelo direito de voto: movimentos sufragistas na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. ARQUIPÉLAGO – História (Universidade dos Açores). 2. série, v. 6, p. 443-469, 2002. Disponível em: https://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/380. Acesso em: 21 dez. 2020.

ARAUJO, Clara. Valores e desigualdade de gênero: Mediações entre participação política e representação democrática. Civitas, Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 16, n. 2, e36, jul. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?

script=sci_arttext&pid=S1519-60892016000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 jan. 2021.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia clínica, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 41-52, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652005000200004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 set. 2020.

ARAÚJO, Luiz Alberto David; NUNES JUNIOR, Vidal Serrano. Curso de Direito Constitucional. 21. ed. São Paulo: Editora Verbatim, 2017.

BARBOSA, Claudia de Faria. As mulheres na política local: entre as esferas pública e privada. 1. ed. Curitiba: Appris, 2019.

BIROLI, Flávia. Por que é importante ampliar o número de mulheres na política? Gênero e Número, 2018. Disponível em: http://www.generonumero.media/a-politica-de-cotas-para-as-mulheres-no-brasil-importancia-e-desafios-para-avancar-2/. Acesso em: 15 jan. 2021.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional n. 84, de 02-12-2014. 43. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil: promulgada em 24 de fevereiro de 1891. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm. Acesso em 21 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 4.737, de 15/07/1965. Código Eleitoral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4737compilado.htm. Acesso em: 20 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.100, de 29/09/1995. Estabelece normas para a realização das eleições municipais de 3 de outubro de 1996. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/111051/lei-9100-95. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.504, de 30/09/1997. Lei das Eleições. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9504.htm. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.709, de 18/11/1998. Lei da Soberania Popular. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9709.htm. Acesso em: 20 dez. 2020.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Agravo Regimental no Recurso Especial Eleitoral nº 06004611220196050000. Agravo interno. Recurso especial. Eleições 2016. Vereador. Ação de impugnação de mandato eletivo. Fraude. Art. 14, §10, da CF/88. Cota de gênero. Art. 10, §3º, da Lei 9.504/97. Candidatura fictícia. Não configurada. Relator: Luis Felipe Salomão, 25 de junho de 2020. Disponível em: https://tse.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/889728316/agravo-regimental-em-recurso-especial-eleitoral-respe-6004611220196050000-ponto-novo-ba/inteiro-teor-889728868?ref=juris-tabs. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Recurso Especial Eleitoral nº 1939220166180018. Eleições 2016. Vereadores. Prefeito. Vice-prefeito. Ação de investigação judicial eleitoral (AIJE). Art. 22 da LC 64/90. Fraude. Cota de gênero. Art. 10, § 3º, da lei 9.504/97. Relator: Min. Jorge Mussi, 17 de setembro de 2019. Disponível em: http://inter03.tse.jus.br/sjur-consulta/pages/inteiro-teor-download/decisao.faces?idDecisao=519801&noChache=761578487. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Recurso Especial Eleitoral nº 0602163820186180000. Recursos Especiais Eleitorais. AIJE. AIME. Vereador. Fraude a Cota de Gênero. Inocorrência. Finalidade de burlar a norma. Ausência de prova robusta. Art. 10, §3º, da Lei nº 9.504/97. Candidaturas femininas fictícias. Precedente. Relator: Tarcísio Vieira de Carvalho Neto, 04 de agosto de 2020. Disponível em: https://tse.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/923510267/recurso-especial-eleitoral-respe-6020163820186180000-pedro-laurentino-pi. Acesso em: 15 fev. 2021.

CAMPIONI, Paula. Direitos políticos: você sabe se exerce plenamente os seus? Politize, 18 set. 2017. Disponível em: https://www.politize.com.br/direitos-politicos/. Acesso em: 20 dez. 2020.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CAPELLIN, Paola. A igualdade das oportunidades nas relações de trabalho: a ética de reparação antecede o dever de responsabilidade. In: COSTA, Ana Alice; OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de; LIMA, Maria Ednalva Bezerra de; SOARES, Vera. Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. 1. ed. CUT: São Paulo, 2004. p. 81-118. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/

pdf. Acesso em: 12 set. 2020.

CASAGRANDE, Rafaela Zanotto. O Sufrágio e a Primeira Onda Feminista. Faculdade de Letras - Universidade de Coimbra, 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/38334162/O_Sufr%C3%A1gio_e_a_Primeira_Onda_Feminista. Acesso em: 21 dez. 2020.

CARVALHO, Ana Paula Giamarusti. As cotas de gênero nas eleições brasileiras. 2020. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Nove de Julho, São Paulo. Disponível em: http://bibliotecatede.uninove.br/handle/tede/2167. Acesso em: 15 fev. 2021.

CAVALCANTE FILHO, João Trindade. Teoria geral dos direitos fundamentais. STF, 2010. Disponível em: http://www.stf.jus.br/repositorio/cms/portaltvjustica/portaltvjusticanoti

cia/anexo/joao_trindadade__teoria_geral_dos_direitos_fundamentais.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

COSMELLI, Liz. Mulheres e participação política internacional: feminismos transnacionais. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo-SP, ano 13, n. 152, mar. 2020. Disponível em: https://diplomatique.org.br/mulheres-e-participacao-politica-internacional/. Acesso em: 12 fev. 2021.

DIÓGENES JÚNIOR, José Eliaci Nogueira. Aspectos gerais das características dos direitos fundamentais. Âmbito Jurídico, São Paulo: 01 mai. 2012. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-constitucional/aspectos-gerais-das-caracteristicas-dos-direitos-fundamentais/. Acesso em: 10 set. 2020.

DIÓGENES JÚNIOR, José Eliaci Nogueira. Gerações ou dimensões dos direitos fundamentais? Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 30 jun. 2012. Disponível em: https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/29835/geracoes-ou-dimensoes-dos-direitos-fundamentais. Acesso em: 10 set. 2020.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos avançados. São Paulo, v. 17, n. 49, dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 dez. 2020.

FRANCHINI, B. S. O que são as ondas do feminismo? in: Revista QG Feminista. 2017. Disponível em: https://medium.com/qg-feminista/o-que-s%C3%A3o-as-ondas-do-feminismoeeed092dae3a. Acesso em: 15 dez. 2020.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do feminismo. 4. ed. São Paulo: Claridade, 2015.

GARCIA, Carla Cristina. Breve histórico do movimento feminista no Brasil. Disponível em: https://flacso.org.ar/wp-content/uploads/2015/08/Capitulo-brasil-historia-do-feminismo.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.

GROSSMANN, Lurdes Aparecida; NUNES, Josiane Borghetti Antonelo. A importância da participação política das mulheres para a construção de uma nova cidadania. XI Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea – UNISC. Anais (online). Santa Cruz do Sul-RS, 2014. Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/11847. Acesso em: 21 dez. 2020.

GURGEL, Telma. Feminismo e luta de classe: história, movimento e desafios teórico-políticos do feminismo na contemporaneidade. In: 9º Seminário Internacional Fazendo Gênero - Diásporas, diversidades, deslocamentos da Universidade Federal de Santa Catarina. Anais (online). Florianópolis-SC, 2010. Disponível em: http://telecomex.com.br/arq/pdf/FEMINISMO%20E%20LUTA%20DE%20CLASSE.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

HADDAD, Maria Irene Delbone; HADDAD, Rogerio Delbone. Judith butler: performatividade, constituição de gênero e teoria feminista. Anais V Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Campina Grande: Realize Editora, 2017. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/30620. Acesso em: 15 dez. 2020.

IPU – Inter-Parliamentary Union. Monthly ranking of women in national parliaments: jan. 2021. Disponível em: https://data.ipu.org/women-ranking?month=1&year=2021. Acesso em: 15 jan. 2021.

JUVÊNCIO, José Sérgio Martins. As candidaturas consideradas "laranjas" e sua relação com a Lei de Cotas. In: SAMPAIO, Airton; CARDOSO, Ilza (orgs.). Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-Alas Brasil, 15. ed, 4-7 set. 2012. Anais (online), Teresina: UFPI, 2012. Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/Home/Pesquisa/GruposdePesquisa/participacaodemocraciaepoliticaspublicas/encontrosinternacionais/pdf-st16-trab-aceito-0410-13.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

KARAWEJCZYK, Mônica. O voto feminino no Brasil: A FBPF e a luta pelo voto feminino no Brasil - anos decisivos. Arquivo nacional - Que república é essa?, 2019. Disponível em: http://querepublicaeessa.an.gov.br/temas/147-o-voto-feminino-no-brasil.html. Acesso em: 21 dez. 2020.

LÓSSIO, Luciana. Candidaturas laranja, fantasmas ou fictícias, há esperança? Gênero e Número, 2018. Disponível em: http://www.generonumero.media/ candidatura-laranja-esperanca/. Acesso em: 15 jan. 2021.

LUZ, Camila. Voto universal e voto censitário: qual a diferença? Politize, 17 mai. 2018. Disponível em: https://www.politize.com.br/voto-universal-e-voto-censitario-qual-a-diferenca/. Acesso em: 20 dez. 2020.

MACEDO, Elaine Harzheim. A cota de gênero no processo eleitoral como ação afirmativa na concretização de direitos fundamentais políticos: tratamento legislativo e jurisdicional. Revista da AJURIS, v. 41, n. 133, p. 205-243, mar. 2014. Disponível em: https://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/11430/2/A_cota_de_genero_

no_processo_eleitoral_como_acao_afirmativa_na_concretizacao_de_direitos_fundamentais_politicos.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

MARCELINO, Giovanna. As sufragistas e a primeira onda do feminismo. Revista Movimento, online, 2018. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2018/02/3801/. Acesso em: 15 dez. 2020.

MARQUES, Danusa. O que são as cotas para mulheres na política e qual é sua importância? Gênero e Número, 2018. Disponível em: http://www.generonumero.media/o-que-sao-as-cotas-para-mulheres-na-politica-e-qual-e-sua-importancia/. Acesso em: 15 fev. 2021.

MARQUES, Melanie Cavalcante; XAVIER, Kella Rivetria Lucena. A gênese do movimento feminista e sua trajetória no Brasil. In: VI Seminário CETROS "Crise e Mundo do Trabalho no Brasil: desafios para a classe trabalhadora". Itaperi (CE) - Universidade Estadual do Ceará, 2018. Disponível em: http://www.uece.br/eventos/seminariocetros/anais/trabalhos_completos/425-51237-16072018-192558.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

MARTINEZ, Vinício Carrilho. Estado de Direito. Revista Jus Navigandi, Teresina - PI, ano 11, n. 918, 7 jan. 2006. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/7786. Acesso em: 20 dez. 2020.

MARTINS, Helena. ONU Mulheres defende ampliação da participação feminina na política. Agência Brasil, Brasília, 2018. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2018-06/onu-mulheres-defende-ampliacao-da-participacao-feminina-na-politica. Acesso em: 15 jan. 2021.

MONTEIRO, Kimberly; GRUBBA, Leilane. A luta das mulheres pelo espaço público na primeira onda do feminismo: de suffragettes às sufragistas. Direito e Desenvolvimento, ano 8, n 261, 2017. Disponível em: https://periodicos.unipe.br/index.php/direitoedesenvolvimento/article/view/563/476. Acesso em: 21 dez. 2020.

MOTA, Fernanda Ferreira; BIROLI, Flávia. O gênero na política: a construção do "feminino" nas eleições presidenciais de 2010. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 197-231, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0104-83332014000200197&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 jan. 2021.

NASCIMENTO, Andrê; ROMERO, Maria. Mesmo com cassação de vereadores por candidaturas laranjas, mulheres em câmara no Piauí ainda são minoria. G1, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2019/09/18/mesmo-com-cassacao-de-vereadores-por-candidaturas-laranjas-mulheres-em-camera-no-piaui-ainda-sao-minoria.ghtml. Acesso em: 15 fev. 2021.

NASCIMENTO, Janaína Xavier do. Políticas públicas e desigualdade de gênero na sociedade brasileira: Considerações sobre os campos do trabalho, da política e da ciência. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 20, n. 2, p. 317-337, 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/issue/vie

w/1128/showToc. Acesso em: 12 set. 2020.

NASCIMENTO, Roberta Simões. Análise econômica das candidaturas laranjas de mulheres no processo eleitoral: entre a igualdade de gênero na política e o direito fundamental a eleições livres de fraudes (Comentários à ADI 6.338). Revista Brasileira de Direito, Passo Fundo, vol. 16, n. 1, p. 1-38, jan.-abr. 2020. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/revistadedireito/article/view/4221. Acesso em: 12 fev. 2021.

NUNES JÚNIOR, Flávio Martins Alves. Curso de direito constitucional. 3. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito constitucional descomplicado. 16. ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2017.

PEREZ, Olívia Cristina; RICOLDI, Arlene Martinez. A quarta onda feminista: interseccional, digital e coletiva. Disponível em: https://alacip.org/cong19/25-perez-19.pdf. Acesso em: 16 dez. 2020.

PRIOTTO, Marleide; FASSHEBER, José Ronaldo. Ditadura Civil Militar no Brasil: mulheres militantes. Universidade Estadual do Centro-Oeste, 2015. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_unicentro_hist_artigo_marleide_priotto.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

REIS, Lilian. Soberania, soberania política e soberania popular. Jusbrasil, 2017. Disponível em: https://lipreis.jusbrasil.com.br/artigos/554748100/soberania-soberania-politica-e-soberania-popular. Acesso em: 20 dez. 2020.

RIZZATTO, Camila; ZANIBONI, Géssina. Cotas de gênero nas eleições, funcionam? Politeia, 2020. Disponível em: https://politeiacoproducao.com.br/cotas-de-genero-nas-eleicoes-funcionam/. Acesso em: 15 fev. 2021.

SALES, Tainah Simões; VERAS, Hanna Rayssa Batista. A participação feminina na política brasileira. Revista de Direito, Viçosa, v.12, n.02, 1-21, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/10256. Acesso em: 15 jan, 2021.

SANTOS, Juliana Anacleto dos. Desigualdade social e o conceito de gênero. Disponível em: https://www.ufjf.br/virtu/files/2010/05/artigo-3a7.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

SANTOS, Juliana Anacleto dos. Gênero na teoria social: papéis, interações e instituições. Disponível em: https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/30411653/artigo4a5.pdf?1357649270=&response-content-disposition=inline%3B+filename%3DGENERO_NA_TEORIA_SOCIAL_Papeis_interacoe.pdf&Expires=1610007403&Signature=MToxNonZOe4MyafGfCWamLdlrKqbwslefUFXFabFrtKYUB1EiEsGfcHhErFC~xjwT9CK6UjrplPrGUV9n58A73jtExgIHenZ6lLSWbCk1ocXEawRmcSiF9ZKN5MI8zpltYbx4avNzFPS2~vCVn1Wk4ta18rGoYT0MIYwmHKY1JYSohC~LlPEEojSKDJVzZp6x2zReMHX86fxIvPTz3rLaMfe8Tdi9Kpx7hzjw~fKqOldF4YSp6XweaT06gVMm50-16i1vMTVHtT1JJsyE~W3HCNHS0AEpZOH8M8IA31scPwoUyGRJnYOfAhIVdEAYLoaNtALRvnN-Zd7Gm5GbrheEQ__&Key-Pair-Id=APKAJLOHF5GGSLRBV4ZA. Acesso em: 14 dez. 2020.

SARDINHA, Edson. Brasil é apenas o 152º em ranking mundial de participação feminina na política. Congresso em foco – UOL, 2018. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/especial/noticias/brasil-e-apenas-o-152%C2%BA-em-ranking-mundial-de-participacao-politica-e-o-lanterna-na-america-do-sul/. Acesso em: 15 jan. 2020.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. 8. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

SILVA, Carolina Dias Martins da Rosa e. Igualdade formal x igualdade material: a busca pela efetivação da isonomia. Conteúdo Jurídico, Brasília: 09 jan. 2017. Disponível em: https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/48550/igualdade-formal-x-igualdade-material-a-busca-pela-efetivacao-da-isonomia. Acesso em: 12 set. 2020.

SILVA, Carla da. A desigualdade imposta pelos papeis de homem e mulher: uma possibilidade de construção da igualdade de gênero. Centro Universitário Amparense, 2012. Disponível em: https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/desigualdade_imposta.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

SILVA, Ênio Moraes da. O Estado democrático de direito. Revista de informação legislativa, v. 42, n. 167, p. 213-229, jul./set. 2005. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/794. Acesso em: 20 dez. 2020.

SILVA, Lenina Vernucci da. Contribuições feministas para o pensamento político brasileiro: as sufragistas nos anos 1920. In: I Semana de Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos. Anais (online). São Carlos-SP, 2013. Disponível em: http://www.semacip.ufscar.br/?page_id=164. Acesso em: 21 dez. 2020.

SILVA, José Afonso da. O estado democrático de direito. Revista de Direito Administrativo FGV, v. 173, p. 15-24, 1 jul. 1988. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/45920. Acesso em: 20 dez. 2020.

SILVEIRA, Matheus. Estado Democrático de Direito. Politize, 16 dez. 2019. Disponível em: https://www.politize.com.br/estado-democratico-de-direito/. Acesso em: 20 dez. 2020.

SIQUEIRA, Carolina Bastos de; BUSSINGUER, Elda Coelho de Azevedo. As ondas do feminismo e seu impacto no mercado de trabalho da mulher. Revista Thesis Juris, São Paulo, v. 9, n. 1, 2020. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/thesisjuris/article/view/14977. Acesso em: 15 dez. 2020.

TELES, Maria Amélia de Almeira. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2017. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=lang_pt&id=Ez5ODwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT4&dq=movimento+feminista+hist%C3%B3ria&ots=zn2HhGEgDB&sig=AeXvgu3Ok6nuxuLUS3R0QrJ8TlU#v=onepage&q&f=true. Acesso em: 16 dez. 2020.

TEODORO, Rafael. Cotas de gênero em eleições proporcionais: como funcionam? Politize, 2 abr. 2020. Disponível em: https://www.politize.com.br/cotas-de-genero-em-eleicoes/. Acesso em: 15 fev. 2021.

VELASCO, Clara; OLIVEIRA, Leandro. Nº de mulheres eleitas se mantém no Senado, mas aumenta na Câmara e nas Assembleias. G1, 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2018/eleicao-em-numeros/noticia/2018/10/08/no-de-mulheres-eleitas-se-mantem-no-senado-mas-aumenta-na-camara-e-nas-assembleias.ghtml. Acesso em: 15 jan. 2020.




DOI: https://doi.org/10.21207/1983.4225.1194

http://www.abecbrasil.org.br

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional.