AS VIOLAÇÕES AO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA DAS MULHERES ENCARCERADAS E SUAS CRIANÇAS NO BRASIL

Autores

  • Camila Ferreira ZUCOLOTTO Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP

DOI:

https://doi.org/10.21207/2675-0104.2019.992

Palavras-chave:

Gênero, Cárcere, Dignidade da Pessoa Humana, Mãe em situação prisional

Resumo

A presente pesquisa científica se insere nas áreas de Direito Constitucional e Direito Penal, com o intuito de abordar, de forma específica, a condição da mulher encarcerada enquanto mãe, e a falha do Estado em cumprir seu papel de interventor e garantidor da dignidade humana nesses casos. A proposta é demonstrar, inicialmente, como o sistema carcerário brasileiro foi originado e desenvolvido até a atualidade, para acolher o gênero feminino e suas necessidades específicas. Além disso, destaca-se os conceitos de dignidade da pessoa humana, e como a legislação se desenvolve em relação à vivência desse grupo específico de pessoas, principalmente com a decisão que aprovou o Habeas Corpus Coletivo tratado na pesquisa, que permitiu que mulheres gestantes ou com filhos menores de doze anos em prisão preventiva pudessem ter sua condição prisional convertida em domiciliar. Dito isto, o projeto foi elaborado de forma a revelar como a lei e a jurisprudência quanto ao assunto se divergem da prática e do dia a dia dessas mulheres. Esse estudo foi feito através de pesquisas históricas, e da leitura de doutrinas atuais de Direito Penal. Tal pesquisa foi realizada pelo intermédio de livros, revistas, textos normativos e artigos científicos, buscando a conexão com a realidade encontrada nas prisões femininas brasileiras. Assim, como resultado, nota-se que o conhecimento histórico e jurídico quanto ao assunto é de extrema importância para que seja discorrido, não apenas formalmente, mas também de forma a abordar socialmente uma problemática atual e de crescente relevância.

Biografia do Autor

Camila Ferreira ZUCOLOTTO, Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP

Discente da Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP. Bolsista do Programa Interno de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC 2018-2019).

Referências

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ABORTO. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,evolucao-historica-do-aborto,56669.html>. Acesso em: 18 Jul. 2019.

ANJOS, Karla Ferraz dos. Aborto e saúde pública no Brasil: reflexões sob a perspectiva dos direitos humanos. Saúde em debate: revista do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, v. 37, n. 98, p. 504-515, jul./set. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v37n98/a14v37n98.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2019.

BARSTED, Leila de Andrade Linhares. Legalização e descriminalização do aborto no Brasil: 10 anos de luta feminista. Estudos Feministas, v. 0, n. 0, p. 104-130 1992. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/15804>. Acesso em: 17 ago. 2019.

CAMPO, Carmen Hein de; AMORIM, Rovena Furtado; LOYOLA, Júlia Roberta Teixeira. Aborto: análise crítica do PL 5069/2013. Sistema penal & violência [recurso eletrônico], v. 8, n. 1, p. 65-76, jan./jun. 2016. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/sistemapenaleviolencia/article/view/23928>. Acesso em: 18 jun. 2019.

Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=17585&revista_caderno=9. Acesso em. 16 Jun. 2019.

MAIORIA ACREDITA QUE AS MULHERES DEVEM DECIDIR SOBRE O ABORTO. Disponível em: <http://catolicas.org.br/novidades/releases/maioria-acredita-que-as-mulheres-devem-decidir-sobre-o-aborto/>. Acesso em: 18 jul. 2019.

MATIELO, Fabrício Zamprogna. Aborto e Direito Penal. Editora Sagra dc Luzzato. 1994.

STF JÁ CONSIDEROU INCONSTITUCIONAL A CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO EM 2016. Disponível em: <https://agenciapatriciagalvao.org.br/destaques/stf-ja-considerou-inconstitucional-a-criminalizacao-do-aborto-em-2016/>. Acesso em: 24 jul. 2019.

SUPREMO DECIDE POR 8-2 QUE ABORTO DE FETO SEM CÉREBRO NÃO É CRIME. Disponível em: <http://g1.globo.com/brasil/noticia/2012/04/supremo-decide-por-8-2-que-aborto-de-feto-sem-cerebro-nao-e-crime.html>. Acesso em: 16 Jun. 2019.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Parte Geral. 13ª Edição. São Paulo. Editora Atlas S.A. 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-09

Edição

Seção

Pesquisas Científicas com Fomento Interno