NATUREZA JURÍDICA DA RELAÇÃO ENTRE TRABALHADORES E SOCIEDADES DE PLATAFORMA NA SHARING ECONOMY E GIG ECONOMY.

Autores

  • Álick Henrique Souza EDUARDO Faculdade de Direito de Franca http://orcid.org/0000-0003-2955-6494
  • André Luis Centofante ALVES Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Franca/SP

Palavras-chave:

Uberização. Sharing Economy. Crowdworking. Parassubordinação. Proteção.

Resumo

O artigo apresenta a problemática envolvendo o trabalhador uberizado inserido no contexto de sharing economy e crowdworking, isto é, os trabalhadores vinculados a um aplicativo e que exercem determinado trabalho no contexto de economia compartilhada. De modo a ultrapassar uma visão maniqueísta de subordinado e autônomo, o artigo tem por finalidade ressaltar a necessidade de revolvimento do Direito do Trabalho ao seu núcleo imantado: a proteção, compreendida esta não somente na proteção do emprego, mas na proteção do trabalho, utilizando de norma específica a esses trabalhadores, fazendo a necessária dialeticidade histórica, social, econômica e laboral.

Biografia do Autor

Álick Henrique Souza EDUARDO, Faculdade de Direito de Franca

Discente da Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP. Bolsista do Programa Interno de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC 2020-2021).

André Luis Centofante ALVES, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Franca/SP

Doutor e Mestre em Serviço Social pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Possui graduação em Administração e Pós-graduação lato sensu em Gestão Empresarial pelo Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF). Também é Técnico em Contabilidade. Atua como Professor do Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF) em cursos de graduação e pós-graduação. Também é Auditor Fiscal de Rendas da Prefeitura Municipal de Franca, tendo exercido a função de Diretor da Divisão de Assuntos Fazendários. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Mercado de Capitais, Gestão do Terceiro Setor, Empreendedorismo Social e Gestão Pública. Fundador da ONG NV Sociedade Solidária. É autor dos livros "Como planejar um Encontro de Jovens" e "Gestão de Organizações Não Governamentais". Membro do Grupo de Estudos "GESTA - Gestão sócio-ambiental e a interface com a questão social" (UNESP). 

Referências

ALVES, Eliete Tavelli. Parassubordinação e uberização do trabalho: Algumas reflexões. Coimbra, 2018.

ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo, 2020.

BAGOLINI, Luigi. Filosofia do trabalho. 2. Ed. São Paulo: LTr, 1997.

BAUMAM, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOTSMAN, Rachel. Defining The Sharing Economy: What Is Collaborative Consumption–And What Isn’t? Fast Company: 2015. Disponível em: https://www.fastcompany.com/3046119/defining-the-sharing-economy-what-is-collaborative-consumption-and-what-isnt. Acesso em: 27/04/2021.

COELHO, Fábio Ulhoa. Novo manual de direito comercial: direito de empresa - 31. ed. rev., atual. e ampl. - São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2020.

COSTA, Marcelo Nogueira de Almeida; PAGANI, Marcella. Necessidade de Proteção Social aos trabalhadores da gig economy in Revista do Tribunal Superior do Trabalho. vol. 21, n. 1 (set/dez. 1946). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947 – 2021.

BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. Recurso de Revista nº 10555-54.2019.5.03.0179. Recurso De Revista Obreiro – Vínculo De Emprego Entre O Motorista De Aplicativo E A Empresa Provedora Da Plataforma De Tecnologia Da Informação (Uber) – Impossibilidade De Reconhecimento Diante Da Ausência De Subordinação Jurídica – Transcendência Jurídica Reconhecida - Recurso Desprovido. Relator: Min. Ives Gandra da Silva Martins Filho, 02 de março de 2021. Disponível em: http://aplicacao4.tst.jus.br/consultaProcessual/resumoForm.do?consulta=1&numeroInt=309296&anoInt=2020. Acesso em: 01 jul. 2021.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho: obra revista e atualizada conforme a lei da reforma trabalhista e inovações normativas e jurisprudenciais posteriores. 18. ed. São Paulo: LTr, 2019.

DELGUE, Juan Raso. La contratación atípica del trabajo. 2. Ed. Montevideo: Amálio M. Fernández, 2006.

FERRARI, Irany; NASCIMENTO, Amauri Mascaro; MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. História do trabalho, do direito do trabalho e da justiça do trabalho. São Paulo: LTr, 1998.

GIDUMAL, Jacques Bulchand; GONZÁLEZ, Santiango Melián. Uma guia para entender la economia colaborativa. Creative Commons, 2016.

GRAU, Eros Roberto. O direito posto e o direito pressuposto. 7. Ed. ver. Ampl.São Paulo: Malheiros, 2008.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2015.

LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito do Trabalho – 11. Ed. – São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

MANNRICH, Nelson. Reinventando o Direito do Trabalho: Novas dimensões do trabalho autônomo in: FREDIANE, Yone (coord.). A valorização do trabalho autônomo e a livre-iniciativa. Porto Alegre: Lex Magister, 2015.

MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. A justiça do trabalho e a harmonização das relações entre capital e trabalho in DELGADO, Maurício Godinho; MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Efetividade do direito e do processo do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual esquemático de direito e processo do trabalho. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2016.

MASCARO, Alysson Leandro. Introdução ao estudo do direito. 6. Ed. – São Paulo: Atlas, 2019.

MELO, Geraldo Magela. A uberização do trabalho doméstico. Limites e tensões. in: LEME, Ana Carolina Reis Paes; RODRIGUES, Bruno Alves; CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (org.). Tecnologias disruptivas e a exploração do trabalho humano: A intermediação de mão de obra a partir das plataformas eletrônicas e seus efeitos jurídicos e sociais. São Paulo: LTr, 2017.

MONTORO, André Franco. Introdução à ciência do direito. 24. Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1997.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito do Trabalho: história e teoria geral do Direito do Trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. V. I, 5. ed., 2ª tir., Rio de Janeiro: Forense, 1978.

REALE, Miguel. Lições Preliminares do Direito. 22. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

SIGNES, Adrían Todolí. O Mercado de Trabalho no Século XXI: on-demandeconomy, crowdsourcing e outras formas de descentralização produtiva que atomizam o mercado de trabalho, tradução de Ana Carolina Reis Paes Leme e Carolina Rodrigues Carsalade in: LEME, Ana Carolina Reis Paes; RODRIGUES, Bruno Alves; CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (org.). Tecnologias disruptivas e a exploração do trabalho humano: A intermediação de mão de obra a partir das plataformas eletrônicas e seus efeitos jurídicos e sociais. São Paulo: LTr, 2017.

SILVA, Otávio Pinto e. O trabalho parassubordinado. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 97, p. 195-203, 1 jan. 2002. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67540.

SUNDARARAJAN, Arun. The sharing economy: the end of employment and the rise of crowd-based capitalism. Cambridge, MA: The MIT Press, 2016.

TARTUCE, Flávio. Direito civil, v.11: Lei de Introdução e Parte Geral – 13 ed. ver. Atual. e ampl. – Rio de Janeiro: Forense, 2017.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Edição

Seção

Pesquisas Científicas com Fomento Interno