O SISTEMA ACUSATÓRIO SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA DA DISSONÂNCIA COGNITIVA E SUA EFETIVAÇÃO DIANTE DO "PACOTE ANTICRIME"

Autores

  • João Pedro Andrade Fontebassi Bonfante de SOUZA Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP
  • Moacir HENRIQUE JÚNIOR Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Frutal/MG

Palavras-chave:

Imparcialidade, Inquisitório, Psicologia Social

Resumo

A presente pesquisa visa enfrentar a questão-problema “é possível haver imparcialidade no processo penal brasileiro ante os inúmeros resquícios inquisitórios existentes?”, ao passo que analisa o processo penal desde sua essência para que se possa compreender sua sistemática e contextualizá-la junto à origem histórica da confecção do Código de Processo Penal Brasileiro e, seguidamente, utilizando-se as lentes da Constituição Federal de 1988, com o apoio da Teoria da Dissonância Cognitiva.

Biografia do Autor

João Pedro Andrade Fontebassi Bonfante de SOUZA, Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP

Discente da Faculdade de Direito de Franca (FDF), Franca/SP. Bolsista do Programa Interno de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC 2020-2021).

Moacir HENRIQUE JÚNIOR, Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Frutal/MG

Doutor em Direito e Ciência Política. Mestre em Criminologia e Sociologia Jurídico-penal, ambos pela Universitat de Barcelona. Atualmente é professor efetivo do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas lotada no curso de Direito. Coordenador do Núcleo de Assistência Judiciária Gratuita (NAJ), membro do Colegiado do Curso de Direito, membro da Câmara Departamental e membro do Conselho Universitário (CONUN), todos na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Atualmente é o líder do grupo de estudos registrado no CNPq, INOVA-EDUCA da UEMG e Vice-líder do grupo de estudos LAECC – Laboratório Americano de Estudos Constitucionais Comparados da UFU. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5314804984221674. E-mail: [email protected]

Referências

AMBOS, Kai; LIMA, Marcellus Polastri. O processo acusatório e a vedação probatória: perante as realidades alemã e brasileira. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

ARRUDA, Fabiana dos S. A Dimensão Pastoral do IV Concílio de Latrão. In: V Congresso Internacional de História, 21 a 23 de setembro de 2011. Anais Eletrônicos [...]. Jataí: Universidade Federal de Goiás (UFG), 2011, p. 2369- 2376. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2011/trabalhos/158.pdf. Acesso em: 05 set. 2021.

BOFF, Leonardo. Prefácio. In: EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. Trad. Maria José Lopes da Silva. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 1993.

BRASIL. Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3689.htm. Acesso em: 13 set. 2021.

CARVALHO, Salo de. Pena e Garantias. 3. Ed., rev. e atual. Lumen Juris, 2008.

CARVALHO, Salo de. Revisita à desconstrução do modelo jurídico inquisitorial. Revista da Faculdade de Direito UFPR. 2005, v. 42, p. 35-56.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Introdução aos princípios gerais do Direito Processual Penal Brasileiro. Revista de Estudos Criminais. Porto Alegre, ano 1, n. 1, p. 26-51, jul. 2001.

COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. Sistema acusatório: cada parte no seu lugar constitucionalmente demarcado. Revista de Informação Legislativa. Brasília, v.46, n. 183, p. 103-115, jul./set., 2009.

EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. Trad. Maria José Lopes da Silva. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; Brasília, DF: Fundação Universidade de Brasília, 1993.

FESTINGER, Leon. Teoria da Dissonância Cognitiva. Trad. Eduardo Almeida. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1975.

GLOECKNER, Ricardo Jacobsen. Prisões cautelares, confirmation bias e o direito fundamental à devida cognição no processo penal. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, ano 23, v. 117, p. 263-286, jan./fev. 2015.

GRINOVER, Ada Pellegrini. A iniciativa instrutória do Juiz no processo penal acusatório. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo. Ano 7 - N. 27 - julho-setembro, 1999.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Fundação Calouste Gulbenkian. Trad. Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão - 4ª ed. - Lisboa, 1997.

KHALED Jr., Salah H. A busca da verdade no processo penal: para além da ambição inquisitorial. 3. Ed. Belo Horizonte, MG: Casa do Direito, 2020.

KHALED Jr., Salah H. Ambição de verdade no processo penal: uma introdução. 4. Ed. rev., atual. e modificada - Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020-A.

KHALED Jr., Salah H. O Sistema Processual Penal Brasileiro. Acusatório, misto ou inquisitório? Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 10, n. 2, p. 293-308, 18 nov. 2010.

LOPES JR., Aury. Direito Processual penal. 17. Ed. São Paulo: Saraiva, 2020-A.

LOPES JR., Aury. Fundamentos do Processo Penal: introdução crítica. 6. Ed. - São Paulo: Saraiva Educação, 2020.

LOPES JR., Aury. RITTER, Ruiz. A Imprescindibilidade do Juiz das Garantias pra uma Jurisdição Penal imparcial: reflexões a partir da teoria da dissonância cognitiva. Revista Duc In Altum Cadernos de Direito, vol. 8, nº16, set.-dez. 2016.

PRADO, Geraldo. A cadeia de custódia da prova no processo penal. 2. Ed. Rio de Janeiro: Marcial Pons, 2021.

PRADO, Geraldo. Sistema Acusatório: A Conformidade Constitucional das Leis Processuais Penais. 3. Ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

RITTER, Ruiz. Imparcialidade no processo penal: reflexões a partir da teoria da dissonância cognitiva. 2ª ed. São Paulo: Tirant lo Blanch, 2019.

ROSA, Alexandre Morais da. KHALED JR., Salah. In dubio pro hell 1: profanando o sistema penal. 4. Ed., rev. e ampl. - Florianópolis: EMAIS, 2020.

ROSA, Alexandre Morais da. LOPES JR., Aury. A “estrutura acusatória” atacada pelo MSI - Movimento e Sabotagem Inquisitória. Revista Consultor Jurídico, 3 de janeiro de 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-jan-03/limite-penal-estrutura-acusatoria-atacada-msi-movimento-sabotagem-inquisitoria. Acesso em: 20 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-03

Edição

Seção

Pesquisas Científicas com Fomento Interno